• 20 ANOS

Noticias

03/01/2020 16:20

Programa de Citricultura da ADAB é destaque em Universidade Européia

A ADAB (Agência de Defesa Agropecuária da Bahia) em parceria com a Universidade Tcheca de Ciências da Vida de Praga recebeu a aluna Martina Celakovská, que faz parte do Programa de Agricultura dos Trópicos e Subtrópicos da Faculdade de Agrociências Tropicais, para estágio de pesquisa sobre a Citricultura Tropical na Bahia, sob supervisão da coordenadora estadual do Projeto Fitossanitário do Citros, Suely Brito.

Martina esteve na Bahia por um período de 30 dias, em 2017, para conhecer a Fruticultura Tropical Brasileira e Baiana, onde reuniu dados para o trabalho de conclusão de curso, apresentado em 2019, sobre “Citricultura Brasileira e Baiana com Enfoque em Pragas e Defesa Fitossanitária”.


a

 No período em que ficou na sede da Agência, em Salvador, ela compreendeu a operação do serviço de vigilância, combate e erradicação de pragas, além de conhecer a legislação e os projetos de educação sanitária do programa de Citros da ADAB.

Contudo o que mais lhe interessava era o estágio no campo. Ela passou mais 20 dias nas regiões do Litoral Norte, Chapada Diamantina e Recôncavo Baiano, visitando as plantações, conhecendo os agricultores. Buscou compreender as condições do trabalho no campo do pequeno e do grande produtor, assim como o trabalho com cooperativas.

a

Como estagiária participou de uma operação no comércio ambulante de mudas na Região de Maracás onde presenciou todo processo de abordagem, aplicação da legislação, preenchimento de formulários, a apreensão da mercadoria até o descarte de todas as mudas. Alem de participar do Seminário de Fruticultura em Dom Basílio ministrado pela coordenadora do Programa Fitossanitário das Anonáceas da ADAB, Keyla Soares.

 “Martina conseguiu entender que o principal problema da citricultura na Bahia que é o CVC (Clorose Variegada do Citros) e viu também que existem as ameaças que são o HLB (huanglongbing) e o Cancro Citros, que não estão presentes no Estado, mas podem chegar a qualquer momento” ressaltou Suely Brito.

a

A estagiária concluiu o trabalho de observação da citricultura baiana recomendando que a Bahia invista mais em orientação aos produtores e que estes busquem esclarecimentos para manejar melhor seus pomares.



Fonte: ASCOM - ADAB

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.