• São João da Bahia

Programa de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa da Bahia


A saúde animal, numa visão ampliada, envolve questões relacionadas a enfermidades dos animais, saúde pública, controle dos riscos em toda a cadeia alimentar, assegurando a oferta de alimentos seguros e bem estar animal. Para assegurar a saúde animal, é necessária a existência de serviços veterinários bem estruturados, capacitados e aptos para detecção e adoção precoce das medidas de controle e erradicação das doenças. 

Em sintonia com a Organização Mundial de Saúde Animal – OIE, que reconhece os serviços veterinários como um bem público mundial, a Adab, responsável pela condução da política de saúde animal do estado, compartilha com o setor privado as responsabilidades para aplicação das medidas que objetivam a melhoria da saúde animal. 

A Bahia foi um dos estados pioneiros no combate a Febre Aftosa. 

Em 1968 iniciaram-se ações básicas de controle do trânsito e vacinação, executadas pelo Grupo Executivo de Erradicação da Febre Aftosa – GERFAB. A partir de 1992 foram criados os circuitos pecuários para a implantação do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa – PNEFA com a integração dos setores produtivo e privado sob a coordenação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento– MAPA. 

A evolução recente que possibilitou certificação de Livre de Febre Aftosa com Vacinação, a manutenção desse status sanitário e a sua evolução com a extinção da Zona Tampão e a conseqüente criação de uma Zona de Proteção em 2010, se deu a partir da reestruturação do serviço estadual de Defesa Agropecuária, iniciado com a criação da ADAB no ano de 1999, a qual conta hoje com 15 Coordenadorias Regionais, 71 UVL, 428 escritórios de atendimento à comunidade, bem como pelo conjunto de ações desenvolvidas neste período: 

- Cadastramento e recadastramento de todos os rebanhos susceptíveis a Febre Aftosa, além de propriedades e produtores;
- Realização de 06 inquéritos soroepidemiológicos consecutivos anuais para comprovação de ausência de atividade viral;
- Implantação de 42 barreiras sanitárias fixas em pontos estratégicos do estado, além da contratação de 300 auxiliares de fiscalização para o serviço intermitente de fiscalização agropecuária;
- Informatização da base cadastral de explorações pecuárias, contando com cerca de 264.000 unidades;
- Emissão da Guia de Trânsito Animal - GTA em formato eletrônico a partir de 2009; 

Atualmente, com parecer favorável do MAPA – Brasília, a vacinação correspondente à 2ª etapa/novembro será apenas para os animais abaixo de 24 meses, devendo no entanto, todos os criadores realizar no mesmo período da declaração dos animais vacinados, a atualização do cadastro referente aos animais acima de 24 meses para que possa ter acesso a GTA, caso necessite transportar seus animais. 

Com esta redução significativa da vacinação, cresce as possibilidades de liberação da vacinação total do rebanho, não só do estado como também de vários circuitos pecuários que estão no mesmo status sanitário da Bahia. 

Paralelo aos serviços essenciais da vacinação, outras ações de igual teor técnico devem ter continuidade, demonstrando qualidade, realidade temporal e posicionamento sócio-político de uma ALFASV para que as possíveis auditorias federais e internacionais possam atestar as possibilidades de evolução sanitária do estado. 

Vale salientar que a vacinação dos animais nos municípios da Zona de Proteção devem permanecer na totalidade como medida acautelatória até que novos processos de melhoria sanitária venham acontecer nos estados que ora são classificados como BR-3 ou Médio Risco. 


Coordenador(a): Antônio Lemos Maia Neto
Telefone: (71) 3235-5413
E-mail: lemos.maia@adab.ba.gov.br


Recomendar esta página via e-mail: