• Minimanual virtual Planserv

Projeto Fitossanitário para a Cultura do Abacaxi

A adoção de tecnologias e organização adotadas por produtores de abacaxi tem colocado esta fruta em destaque no cenário nacional e internacional. O Brasil ocupa o sexto lugar na produção mundial de abacaxi e a Bahia atinge a quarta posição no cenário nacional neste cultivo.
São 9.700 hectares plantados com a cultura do abacaxizeiro em todo Estado, destacando-se o Território do Piemonte da Chapada, região do semi-árido, onde o município de Itaberaba e seus circunvizinhos, Itaête, Boa Vista do Tupim, Ipirá, Rui Barbosa, Iaçu, Macajuba, Andaraí, Utinga, Wagner e Lagedinho possuem uma área plantada 5.600 hectares distribuídos em 3.000 produtores e uma produção em torno de 60.000.000 de frutos. Salienta-se que os plantios são feitos exclusivamente por produtores familiares, em clima semi-árido, sem irrigação, demonstrado o potencial desta, como alternativa para as regiões semi-áridas da Bahia.

Ciente da importância desta cultura para os agricultores familiares e para o agronegócio baiano, a ADAB, realiza georeferenciamento de áreas em todos os municípios em que são encontrados plantios de abacaxi. Esta tem por objetivo o controle sistemático do fungo Fusarium gutiforme, agente causal da Fusariose, principal praga do abacaxizeiro. Este fungo causa podridão nos tecidos com exudação de substância gomosa na região afetada, as perdas podem atingir 80% da produção.


- Pólos de produção de abacaxi 


–Territórios de Identidade: Chapada Diamantina, Piemonte do Paraguaçú (Itaberaba), Litoral Sul, Baixo Sul (Tancredo Neves), Extremo Sul (Porto Seguro), Piemonte da Diamantina (Umburanas), Agreste de Alagoinhas/Litoral Sul/Norte (Rio Real), Portão do Sertão (Coração de Maria), Piemonte Norte do Itapicurú (Campo Formoso). 

- Importância sócio-econômica

Com o controle da fusariose obtendo-se os índices de 5% que é preconizado pela Portaria Estadual Nº 150, espera-se que haja transferência de recursos para o produtor aos quais eram perdidos anteriormente pelo alto índice de ataque do fungo. Com isto, a classe trabalhadora na agricultura familiar possui mais recursos para consumir com bens materiais antes improváveis pelo descontrole desse ataque. 

- Objetivo do Projeto: 

Conviver com a praga fusariose provocada pelo fungo (Fusarium gutiforme) com índice máximo de 5%, sendo este, o índice considerado economicamente viável para convivência com a lavoura. 

- Outras pragas que atacam a cultura do abacaxi: 

Todas as pragas estão presentes - Fusariose, Podridão-do-olho, Mancha-negra-do-fruto, Podridão-aquosa do fruto, Broca-do-fruto, Broca-do-talo, Ácaro alaranjado, Mancha chocolate, Queima-solar. 

- Principal praga da cultura: 

Fusariose (Fusarium gutiforme), que sem o devido controle pode chegar a 100% de perda da lavoura de abacaxi. 

- Exigência do trânsito 

-
Para o transporte de mudas é necessário a emissão da PTIV. 

- Produção do Abacaxi: 

Segundo o IBGE de 2013, a área plantada na Bahia corresponde a 5.290 ha, com uma produtividade aproximada de 20 mil frutos por hectare. 


Coordenador(a): Antônio Bergemann Oliva


E-mail: antoniobergemann.oliva@adab.ba.gov.br


Recomendar esta página via e-mail: