• Minimanual virtual Planserv
  • Cadastro de Mídias na Secom

Projeto Fitossanitário dos Citros


A citricultura é uma das mais importantes atividades do agronegócio brasileiro, respondendo por um faturamento anual da ordem de 1,5 bilhões de dólares. A Bahia é o segundo Estado produtor do país, com safra obtida, em 2012, de 1.036.796 t, em uma área cultivada de 77.559 hectares (IBGE, 2013). A citricultura da Bahia, diferentemente da desenvolvida em São Paulo, é de natureza familiar, empregando cerca de 100 mil trabalhadores na sua cadeia produtiva.
O Litoral Norte assume a liderança, especialmente no município de Rio Real, que é o maior produtor de citros nas regiões Nordeste e Norte do País. Embora os frutos cítricos sejam produzidos em quase todas as regiões do Estado, como o Oeste, Sudoeste e Extremo Sul, mais de 80% da produção concentra-se no Litoral Norte e Recôncavo Sul (IBGE, 2013).

- Objetivo do Projeto: 

Preservar o status fitossanitário da Bahia como Área Livre das pragas HLB, Cancro Cítrico e Morte Súbita dos Citros; reduzir o impacto negativo sobre a cadeia produtiva em função da ocorrência das pragas Clorose Variegada dos Citros (CVC), Mancha Preta dos Citros, Mosca-negra-dos-citros, Cochonilha Rosada e Leprose dos Citros.

- Pragas e prejuízos das pragas dos citros: 

Em estudos recentes, considerando a realidade da citricultura baiana, área ainda indene para o HLB, Oliveira et al. (2013) estimaram que a introdução da doença na ausência de controle levaria a perdas que poderiam superar R$1,8 bilhão em um período de 20 anos, ou seja, ocasionaria um impacto negativo à cadeia produtiva a ponto de inviabilizar totalmente a rentabilidade econômica daquele que é o segundo parque citrícola do Brasil.

- Exigências de trânsito: 

Frutos produzidos internamente no Estado exige-se a Permissão de Trânsito Interno de Vegetais (PTIV). Os frutos devem estar sadios, ou seja, sem sintomas ou sinais de pragas. Frutos produzidos fora do Estado devem ingressar com a Permissão de Trânsito de Vegetais (PTV), embasada no Certificado Fitossanitário de Origem (CFO) e a carga deve estar em conformidade com as informações documentais.
Recomendar esta página via e-mail: